Zika Vírus

Zika vírus: Tudo o que você precisa saber

O Zika vírus é a mais recente doença que vem preocupando brasileiros e latino-americanos. No entanto, apesar de alarmada, a população pouco sabe sobre a enfermidade causada pelo famoso Aedes Aegypti, e por isso, o HRDV elaborou esse informativo para ajudar com importantes esclarecimentos.

Para saber se está infectado pelo Zika vírus é importante ficar atento aos sintomas, que normalmente, surgem 10 dias após a picada de um mosquito e que, inicialmente, incluem febre acima de 38ºC e manchas vermelhas no rosto. Depois podem surgir:

  • Dor de cabeça constante;
  • Manchas vermelhas em outros locais do corpo, como braços, abdômen e pernas;
  • Vermelhidão e hipersensibilidade nos olhos;
  • Dor nas articulações, especialmente nas mãos e pés;
  • Dor nos músculos;
  • Cansaço excessivo;
  • Dor na barriga e náuseas;
  • Diarreia ou prisão de ventre.

O que fazer em caso de suspeita de Zika

Normalmente, estes sinais duram sete dias e podem ser confundidos com os sintomas da dengue, sendo importante procurar atendimento médico quando surgem mais que dois dos sintomas para que o problema seja diagnosticado, iniciando o tratamento adequado.

O diagnóstico normalmente é feito com base nos sintomas, mas o médico pode pedir exames que possam indicar se existe alguma outra doença que esteja causando os mesmo sintomas da Zika. No entanto, em épocas de epidemia os médicos podem suspeitar da doença e nem sempre solicitam qualquer exame.

Tratamento do Zika vírus

O tratamento para o Zika vírus é o mesmo que o tratamento da dengue, e deve ser orientado por um clínico geral. Normalmente é feito apenas com o controle dos sintomas, uma vez que não existe um antiviral específico para combater a infecção. Assim, o tratamento pode ser feito apenas com repouso em casa durante cerca de sete dias e uso de analgésicos e remédios para febre, como Paracetamol ou Dipirona, por exemplo, para aliviar os sintomas e acelerar a recuperação.

Durante o tratamento, deve-se evitar utilizar qualquer remédio com Ácido Acetilsalicílico, como aspirina ou AAS, pois, tal como acontece na dengue, existe risco de desenvolvimento de hemorragias que podem agravar o estado geral do paciente.

Em algumas pessoas a infecção pelo Zika Vírus pode ter como complicação o desenvolvimento da Síndrome Guillain-Barré, uma doença grave, que quando não é tratada pode deixar e paciente sem andar e respirar, sendo potencialmente fatal. Por isso se apresentar fraqueza progressiva nas pernas e nos braços deve ir rapidamente para o hospital.

Transmissão entre pessoas e Microcefalia

O Zika vírus pode ser transmitido através da relação sexual com pessoas que estejam com a doença e também passar de mãe para filho durante a gravidez. Nesse caso, o feto pode ser afetado pela doença chamada microcefalia, já que o vírus foi encontrado no líquido amniótico que envolve o bebê durante a gravidez e também no líquido cefalorraquidiano, (presente no sistema nervoso central) dos bebês que já nasceram e foram diagnosticados com microcefalia.

No entanto, a relação entre o Zika vírus e a microcefalia não é totalmente conhecida. A hipótese aceita é de que o vírus ao ser ‘protegido’ pelo sistema imune possa atravessar a barreira placentária, chegando ao bebê. Essa ‘proteção’ pode acontecer da seguinte forma: Quando a mulher pega Dengue, suas células de defesa atacam e vencem o vírus da dengue, mas estas células quando se encontram com o Zika vírus, que é muito parecido com o da dengue, somente englobam este vírus, mas não conseguem eliminá-lo do corpo. Com esta proteção, o vírus pode alcançar todas as regiões do corpo, que normalmente não podem ser alcançadas, e dessa forma ele pode atravessar a placenta e chegar até o bebê, causando microcefalia.

As maiores chances do bebê ter microcefalia ocorrem nas gestantes que já tiveram dengue alguma vez e que tiveram Zika em qualquer fase da gestação. Porém, se a mulher já teve Zika quando não estava grávida, não existe a possibilidade do bebê ter microcefalia se ela engravidar após 1 mês depois dos sintomas estarem controlados.

Como saber se o bebê tem Microcefalia

O diagnóstico da microcefalia pode ser feito durante a gestação através do exame de ultrassom morfológico, mas também pode ser feito depois do nascimento do bebê, através da medição do tamanho da cabeça da criança. Outros exames como ressonância e tomografia podem ser realizados para indicar o grau de comprometimento cerebral e suas possíveis consequências.

A microcefalia é uma doença grave, onde há restrição do crescimento do cérebro do bebê e não tem cura, sendo necessário fazer reabilitação através de fisioterapia e fonoaudiologia na infância e adolescência.

Como a grávida pode evitar a microcefalia no bebê

Para evitar a microcefalia no bebê a gestante pode tomar medidas como:

  • Usar camisinha se seu parceiro sexual estiver com Zika, até o final da gravidez porque o vírus também passa pelo contato íntimo;
  • Não tomar bebidas alcoólicas e usar medicamentos durante a gravidez sem indicação do obstetra;
  • Evitar a toxoplasmose e doenças infecciosas como herpes e rubéola, tomando as vacinas e medidas necessárias;
  • Evitar a contaminação com mercúrio e outros metais pesados.

Além disso, também é recomendado que todas as grávidas usem um repelente com DEET diariamente para não ser picada pelo Aedes Aegypt, causador da dengue, Zika e Chikungunya. O repelente deve ser repassado a cada 6 horas em todo o corpo e na roupa, e não é preciso se preocupar porque ele pode ser usado durante a gravidez, é seguro e não prejudica o bebê. Outras medidas que podem evitar a picada dos mosquitos são usar roupas de manga comprida, calça comprida e meias.

Prevenção

Não existe sorologia específica para detectar o Zika vírus e a melhor forma de combater essa doença é a prevenção, com cada um cuidando da sua casa e evitando deixar água parada e mantendo os quintais limpos e sem mato.

De acordo com a coordenadora geral do HRDV, Vera Lúcia Machado, poucos casos foram relatados até agora pela instituição.

– O hospital atendeu apenas alguns casos bem isolados, de moradores de Rio Bonito e de outras cidades, sem nenhuma suspeita de epidemia até o momento. O mais importante para não ter Zika é a prevenção, evitando criar ambientes que proporcionem a proliferação do mosquito – afirmou a médica.

Tabela da Zika, Chikungunya e Dengue

Hospital Regional Darcy Vargas. Seres humanos salvando vidas

              

 

 

Um Comentário
  1. Responder
    Marcos Almeira

    Isso é realmente importante…
    Cuidar disso, pois o tempo da chuva está preste a chegar e temos que ter prevenção ao máximo.
    Não só no tempo de chuva, mas sim em qualquer tipo de água parada.
    Bela explicação… Gostei!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *